Amamentação – Muito melhor se for feita com amor e paciência!

Já se sabe que a amamentação exclusiva até os seis meses de idade é extremamente benéfica ao bebê. E que se possível, devemos continuar amamentando o maior tempo possível até os dois anos de idade. Mas então porque nem sempre isso acontece?  Porque amamentar não é sempre um mar de rosas para a mãe, e muitas acabam desistindo antes do tempo….

Resolvi escrever este artigo porque no meu caso, apesar dos obstáculos enfrentados, amamentar foi e está sendo muito bom e achei que seria legal contar aqui a minha história no intuito de ajudar mamães que tenha lgum tipo de dúvida ou problema parecido com o seu bebê.

Antes de ter a minha primeira filha, fiz um curso para gestantes e nele, já aprendi muita coisa sobre amamentação, o que ajudou bastante para que desse certo.

amamentarQuando a minha primeira filha nasceu, só consegui amamentar no segundo dia após o parto (mas não me preocupei porque tinha aprendido que o nenem vem com uma reservinha que dura até 3 dias após o parto). As enferemeiras da maternidade vinham, tentavam me ensinar como fazer, diziam para tentar de um lado, de outro, deitada, mas nada… minha filha não pegava e eu não sabia o que fazer… Só deu certo quando, após várias tentativas, segurei-a com carinho e calma, do meu jeito, tentando entender o jeitinho dela. Hoje vejo que só deu certo porque ela quis mamar aquela hora mesmo. Antes disso ela não tinha fome. Era do perfil dela.

Com o meu segundo filho foi diferente. As enfermeiras não precisaram explicar nem tentar nada. De cara, no primeiro dia ele já mamou bem e continua assim guloso e mamando bem até hoje. É do perfil dele.

Ambos fizeram o bico rachar logo no início, tanto a minha filha que mamava quase sem vontade quanto o meu filho que mama com bastante fome. Isso é normal, pois o seio precisa se acostumar com a rotina do mamar. Dói, mas é bem suportável e passa logo. Principalmente se você pensa no bem-estar do seu bebê e continua amamentando sempre que ele quiser, fortalecendo ainda mais essa região.

Aos 3 meses de idade a minha filha começou a não ter o ganho de peso esperado e então comecei a tomar Plasil 3 vezes ao dia para aumentar o leite. Fiz isso por 1 mês inteiro mas não adiantou. Ela continuou ganhando pouco peso. Além disso o Plasil disparou uma depressão pós parto tardia e tive que começar a tomar Fluoxetina…

Comecei a complementar a amamentação com Nestogeno mas em duas semanas, descobri que a minha filha tinha alergia ao leite de vaca. Continuei amamentando no peito e passei a complementar com leite de cabra. Não deu, pois ela tinha alergia a esse tipo de leite também. Passei a complementar com o Nan Soy de soja. Ela não tinha alergia a esse tipo de leite, mas ele é tão ruim que ela não mamava o leite de forma alguma…. O jeito era continuar amamentando no peito o quanto pudesse e complementar com papinhas o máximo possível. Enfim, ao longo das tentativas, erros e acertos, ela mamou até 1 ano e 1 mês de idade, quando por vontade própria não quis mais mamar no peito e exatamente quando a alergia ao leite de vaca passou e ela pode mamar Ninho 1.

Meu filho, por outro lado não teve problema de peso, mas mamava de 8 a 9 vezes por dia e nas mamadas do final do dia o leite do peito parecia faltar…então aos 2 meses tive que complementar com Aptamil para suprir a demanda. Descobri assim que ele também tem alergia ao leite de vaca. Deixei de complementar mas consegui aumentar o volume do meu leite com Equilid (Sulpirida). Usei esse remédio por um mês e não precisei mais. Agora ele está com 9 meses, continua mamando no peito umas 4 vezes ao dia, além de tomar café da manhã, almoçar e jantar papinhas e frutas.

Como ele é muito voraz, acaba machucando mais o peito porque suga bem forte e com os dentinhos às vezes morde o bico do peito. Já tive duas mastites, coisa que não tive ao longo de 1 ano e 1 mês com a minha filha….Mas a mastite, se tratada rápido melhora logo e tudo volta ao normal.

Com este meu relato, parece que amamentar é muito difícil, não é verdade? Mas não é. Nessa minha experiência de amamentação, entre altos e baixos, posso dizer que amamentar é muito bom. As boas lembranças são muito melhores que as ruins! Os dias em que o peito está machucado são pouquíssimos! E os dias em que está tudo bem são muitos! Quando você está amamentando, o momento é só seu com o seu bebê. E é nesse momento que você estabelece uma conexão muito forte com ele, passando para ele todo o seu amor, todo o seu carinho, muita saúde, muitos anticorpos e muita energia positiva! Isso é muito importante porque você alimenta o seu corpinho e a sua alma também.

Até hoje meu filho nunca ficou gripado e acredito que ele seja tão fortinho porque mama bastante.

Enfim, o que quero dizer é que mesmo com algumas dificuldades é muito bom e muito importante amamentar o seu filho. Não desista na primeira, na segunda e nem na terceira tentativa. Tenha paciência, amamente com amor pois seu filho sentirá todo o carinho que você tem para lhe oferecer!

 

2 thoughts on “Amamentação – Muito melhor se for feita com amor e paciência!

  • 18 de maio de 2019 at 17:27
    Permalink

    Ainda não sou mãe, mas eu acho a amamentação um ato tão lindo e incrível, espero que um dia eu consiga ter está maravilhosa experiência. Parabéns pelo post, achei lindo :o)

    Reply
  • 11 de julho de 2019 at 23:50
    Permalink

    Leite materno, melhor alimento do mundo, não é atoa neh? Amei o post

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

CommentLuv badge